Curta nossa página no Facebook!

domingo, 15 de abril de 2018

Uma reflexão entre o mundo do fake news, o orgulho e o desafio de ensinar as regras da ABNT: Sobre o site Catraca Livre


Uma reflexão entre o mundo do fake news, o orgulho e o desafio de ensinar as regras da ABNT: Sobre o site Catraca Livre
por Tiago Lacerda

O texto que escrevo é uma reflexão sobre a importância de se produzir um trabalho acadêmico a partir das normas da ABNT. Eu sou professor universitário e exijo dos meus alunos trabalhos bem formatados e referenciados, e ainda escuto a cada entrega: "professor, qual a importância de colocar as referências ao final se o texto ou o autor foi citado no desenvolvimento?". Bom, esta pergunta já é suficiente para para eu saber que o aluno não diferencia uma citação de uma referência. Vamos lá! Citação é uma "menção de uma informação extraída de outra fonte" (NBR 10520, 2002, p. 1). Aos que possuem pouca intimidade com a ABNT podem se assustar com a sigla NBR (Norma Brasileira, aprovada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas), mas esta é a abreviação daquela e é como aparece nos documentos oficiais da ABNT seguida de seu número específico. Se eu mencionei uma informação que não é de minha autoria, o mínimo é citar a fonte colocando aspas no texto citado e a fórmula (SOBRENOME, DATA, PÁGINA), que possui algumas variações conforme o documento NBR 10520, 2002, p. 2. Quanto às referências, são um "conjunto padronizado de elementos descritivos, retirados de um documento, que permite sua identificação individual" (NBR 6023, 2002, p. 2), não detalharei aqui os elementos da referência pois este não é o objetivo deste texto e isso pode ser pesquisado a partir do número do documento acima.
Então qual o objetivo do texto?
Se eu faço uma citação de um site, por exemplo, nas referências encontrarei o link que me remeterá ao texto para averiguação da citação utilizada. Poderei também saber mais detalhes do que o simples trecho apresentado na citação. Mas e se eu citar um site e depois o autor apagar? Passo por mentiroso, criativo (no sentido de inventar uma referência), ou despercebido, se o professor não procurou averiguar? Por isso é importante colocar as datas corretas. É sobre isso que quero falar.
No dia dois de abril de 2018 o site Catraca Livre publicou a seguinte notícia: "Professor viraliza com dicas para aplicar as regras da ABNT". Achei a notícia muito interessante, modesta parte, pois eu era o tal professor que postou, despretensiosamente em sua página do facebook, algumas imagens da UFPR para que seus alunos vissem e utilizassem. As imagens foram postadas e não modificadas, estavam com a fonte correta, conforme alguém da UFPR tinha elaborado. Isto foi na sexta-feira santa (30/03/18), no domingo me assustei com os números em minha página TG-DOXA, tinha quase três mil comentários e curtidas, mais de dois milhões de visualizações e mais de vinte mil compartilhamentos. Hoje este número é bem maior! Por isso o título da notícia do Catraca Livre.


Imaginem se alguém quisesse citar esta notícia, o que deveria fazer? Poderia mencionar o nome do redator que postou, o título da notícia, o nome do jornal etc. Mas se o aluno fizesse isso, não teria bons resultados, foi o que aconteceu comigo. Não era um fake news, era real, mas diante do sucesso de curtidas, e este é o mundo em que vivemos hoje, alguém a ideia de mudar o título da notícia. Pois quando eu cliquei no link, não era mais o professor que tinha viralizado, mas sim, a biblioteca! Não quero afirmar que seja orgulho ou outra coisa, mas de uma notícia verdadeira nascia um quase "fake news", disse quase porque ao trocar a palavra professor por biblioteca, tiveram que trocar também os números de curtidas e compartilhamentos que não ultrapassaram dez mil.


Mas alguém pode estar perguntado, o que isso tem a ver?
Se eu estiver falando de ABNT, tem muita coisa envolvida. Numa notícia que valoriza a utilização da fonte, há uma controvérsia ao mudar o texto. A viralização se deu pelo TG-DOXA, que já ultrapassou os três milhões de visualizações e vinte e cinco mil compartilhamentos, mas alguém "errou". Ou alguém solicitou créditos! Bom se alguém escreve um livro e não consegue publicidade e tempos depois, outra pessoa lendo o livro e anunciando-o na rede o faz estourar "de curtidas, vendas etc", o crédito da publicidade é de quem? O que não tira o crédito do autor do livro. E falando de referências, seu trabalho estaria errado, pois o título da notícia que anteriormente foi colocado, não existe mais!
Outro problema? Todos os que fizeram seu trabalho baseado no do colega sem atualizar o site, também seguiram o mesmo "erro", veja:

Fonte: Tem de Tudo

O site TEMDETUDO repostou e colocou os créditos, só que ele não compartilhou a notícia, mas a repostou o que fez que ficasse no "original", ou conforme a publicação anteriormente mudada.
Bom, não é fácil ser professor, mas é prazeroso quando acontece com a gente estes detalhes para mostrar ao aluno na prática as razões de citar e referenciar bem o seu trabalho para não passar vergonha.

Observação: Não entrei em contato com ninguém do site Catraca Livre para perguntar o que aconteceu, apenas decidi escrever este texto pois tenho material mais que concreto para continuar ensinando e motivando meus alunos sobre a importância de um trabalho bem organizado e referenciado.




REFERÊNCIAS DAS NORMAS DA ABNT CITADAS PARA CONSULTA:

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: Informação e documentação - Citações em documentos - Apresentação. Rio de Janeiro, 2002.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e documentação - Referências - Elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Livro do professor Tiago Lacerda: Deus como problema filosófico na Idade Média



Natural de Coronel Fabriciano (MG), o professor Tiago Lacerda é graduado em Filosofia pela Faculdade Vicentina (FAVI), Especialista em Tutoria em Educação à distância  pela Universidade Cândido Mendes, mestre e doutorando em Filosofia pela PUC-PR. É professor de Filosofia do Direito, Ciência Política e hermenêutica na Faculdade Curitibana (FAC) e Faculdade Paranaense (FAPAR) e professor de Filosofia do Quadro próprio de Magistério da SEED-PR, no Colégio Estadual Pedro Macedo.
O professor Tiago Lacerda, lançou recentemente o livro: Deus como problema filosófico na Idade Média. Na obra, o autor apresenta análises de tópicos especiais de obras da Filosofia Medieval e algumas reflexões a partir de autores como Santo Agostinho, Boécio, João Escoto Erígena, Pedro Abelardo e São Tomás de Aquino.
O objetivo do livro perpassa pela busca da verdade e, associá-la à figura de Deus é um processo a ser construído paulatinamente por meio de muitas discussões. E nessa inquietante e infinita procura, muito já foi discutido em relação à figura de Deus. De Santo Agostinho a São Tomás de Aquino, a filosofia medieval está repleta de autores que se dedicaram a falar sobre o divino e que contribuíram de forma significativa para o estudo desse problema filosófico, tornando-se, até hoje, referência fundamental nessa área. Descubra neste livro diferentes interpretações e argumentos sobre essa questão e veja como temas tão complexos quanto o divino e o metafísico são estudados à luz da filosofia. O livro pode ser adquirido pelo site da Editora Intersaberes, ou se preferir, Clique Aqui!

Tg-Doxa - Professor Tiago Lacerda
Filosofia, Sociologia e Direito





Para confirmar, clique em cadastrar e confira em sua caixa de e-mails.
Related Posts with Thumbnails

Postagens mais visitadas na última semana!